"Com a bondade amorosa, somos como um peixe em águas claras, nunca submersos pelos fardos do mundo"

In Memoriam

The Associated Press
Publicado em 13 de Março de 2007

NORTHAMPTON, Massachusetts: Maha Ghosananda, um monge que teve um papel chave na reconstrução do Buddhismo no Camoja após a queda do Khmer Vermelho morreu.

Supunha-se que Ghosananda, que vivia em Leverett, Massachusetts, e em Providence, Rhode Island, estivesse com quase  80 anos. He morreu na segunda-feira, no Cooley Dickinson Hospital, disse Christina Trinchero, da equipe do hospital. Trinchero não sabia dizer a causa de sua morte ou sua idade.

Non Nget, um patriarca buddhista sênior no Camboja que conhecia Ghosananda desde a infância, disse que tinha 81.

No Camboja, o país marcou o passamento de um "persistente advogado da paz" que "fez muito sacrifício em nome da felicidade e da paz", disse Chhorn Iem, ministro adjunto de assuntos religiosos.

O monge cambojano viveu em exílio entre 1975 e 1979, quando o Khmer Vermenlho denunciou o Buddhism e causou a morte de aproximadamente dois milhões de pessoas pela fome, doença, estafa e execução.

Ghosananda foi um dos primeiros monges a retornar ao Camboja e a treinar novos líderes após o regime de Pol Pot ser derrubado pelos vietnamitas em 1979.

"Ele fez tudo o que pode para restaurar o Buddhismo ao Camboja", Jim Perkins, pastor da Leverett Congregational Church e amigo do líder religioso, disse ao Daily Hampshire Gazette de Northampton, Massachusetts.

Ghosananda foi eleito Supremo Patriarca Buddhista Cambojano por seus companheiros monges buddhistas do Cambojaem 1988 por restaurar o Buddhism ao país destroçado pela guerra.

Durante os anos 90, ele liderou o movimento Dhamma Yatra para a reconstrução da vida religiosa no Camboja.

Em 1994, liderou a marcha pela paz até a cidade do noroeste de Pailin, ainda uma bastião do Khmer Vermelho na época. Três cambojanos participantes da marcha, incluindo um monge e uma monja buddhistas, foram mortos no fogo cruzado entre os soldados do governo e os rebeldes do Khmer Vermelho, mas Ghosananda escapou sem ferimentos.

Em 1997, após os guerrilheiros de Pailin abandonarem as armas e juntarem-se ao governo, Maha Ghosananda liderou com sucesso uma outra peregrinação pela paz em Pailin. Nessa ocasião, os caminhantes foram recebidos com calorosas boas-vindas pelos residentes e antigos rebeldes do Khmer Vermelho, os quais tinham executado monges e destruído templos buddhistas durante o reinado de terror do regime.

Maha Ghosananda mudou-se para o oeste de Massachusetts nos finais dos anos 80 a convite da ordem buddhista Nipponzan Myohoji de Leverett, que busca a completa eliminação das armas. Ele foi nomeado quatro vezes para o Prêmio Nobel da Paz nos anos 90.

Dividia seu tempo entre os templos buddhistas em Leverett e Providence, Perkins disse.